Boavista FC - Temos Tradição no Voleibol Português.

34 Anos a formar atletas sob o lema "Aprender, Praticar e Vencer.

Boavista FC tem novos equipamentos para Época 2016-2017

Todo o voleibol axadrezado será equipado pela conceituada marca Cofides (POR).

Prof. José Machado assume novo desafio

Prestigiado técnico português é o novo coordenador técnico do voleibol axadrezado

Panteras têm novo treinador principal

Prof. Carlos Simão é o novo "timoneiro" das seniores axadrezadas

Destaque semanal

Iniciadas vencem primeiro jogo oficial da época 2016-2017

sábado, 31 de outubro de 2009

Seniores jogam Domingo

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Faleceu Cristina Pereira

"É com imensa tristeza que o Departamento de Voleibol do Boavista FC, informa e lamenta o falecimento da sua ex-Atleta Cristina Pereira que tanto dignificou o Clube, mas principalmente a modalidade. Ela foi uma GRANDE ATLETA em todos os sentidos. Não há palavras que a qualifiquem."
Departamento de Voleibol
Boavista FC

Voleibol novamente de Luto

Foi com imensa tristeza que recebemos a noticia do falecimento da nossa ex-atleta Cristina Pereira.
Cristina Pereira faleceu ontem, vítima de doença prolongada, encontrando-se em câmara ardente na igreja de S. Mamede Infesta onde se realizarão amanhã pelas 10:00h as cerimónias fúnebres.

A equipa BoavistaVolei presta aqui a sua homenagem e expressa as suas mais sinceras condolências à família enlutada.

Cristina Pereira foi uma das nossas atletas mais fantásticas, tendo juntamente com Maria José Schuller feito uma carreira excelente no voleibol de praia português.
Como atleta de alta competição, Cristina Pereira e oriunda da formação do Leixões SC, representou como sénior o clube de Matosinhos, o Boavista e o Castêlo da Maia, pelos quais conquistou diversos campeonatos nacionais, Taças de Portugal e Supertaças.
Pioneira no voleibol de praia feminino com Maria José Shuller, participa e vence o torneio de exibição realizado em 1993, a que se seguem quatro títulos nacionais consecutivos de 1994 a 1997, e em 1999 e 2000.
Em 1994 a convite da FPV, participa nos Jogos Mundiais realizados na Holanda, onde alcança o 7º lugar, naquela que é a primeira participação internacional de uma dupla portuguesa feminina.
Inicia aqui com Maria José Schuller, uma carreira internacional no voleibol de Praia, que culmina em Sidney 2000 com a primeira e até agora única presença de uma dupla feminina nos Jogos Olímpicos.
Primeira dupla feminina a abdicar do voleibol de pavilhão para se dedicar em exclusivo ao voleibol de praia, após a tentativa não conseguida da presença nos JO de Atlanta em 1996.
Principais referências no seu Palmarés sénior:
5 Campeonato Nacionais
4 Taças de Portugal
4 Supertaças

Volei Praia com Maria José Schuller
Nacional
1993 – 1º Lugar Torneio de exibição de volei de praia feminino
1994 a 1997 – Campeã Nacional
1999 e 2000 - Campeã NacionalInternacional
1994 – 7º Lugar na 1ª participação internacional de uma dupla feminina nos Jogos Mundiais realizados em Haia, Holanda
1995 – Estreia no Circuito Mundial de voleibol de Praia – Los Angeles
1995 – 1º Lugar na Grécia Circuito Europeu
1996 – 7º Lugar no Campeonato da Europa
1997 - 9º lugar no Circuito Europeu,
1999 - 4º Lugar no Ranking Europeu
2000 – 9º Lugar nos Jogos Olímpicos de Sidney)
2000 – 4º Lugar no Open de Dalian do Circuito Mundial
2001 – 27º Lugar no Ranking Mundial
2001 – 9º Lugar Open Espinho - Circuito Mundial

SENIORES - Antevisão pelo Treinador

«Em relação ao jogo de Domingo, contra o Santo Tirso prespectivo um bom jogo em que vamos precisar de grande atitude, garra e vontade de vencer, pois a equipa adversária reforçou-se este ano com jogadoras já com bastante provas dadas.
Por isso temos que ir à luta com tudo.
Estamos na luta!»
Paulo Pardalejo, Treinador da Equipa de Seniores

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

AVP abre Centro de Formação


Centro de Formação - AV Porto Início do período de observação
A Associação de Voleibol do Porto (AVP) está a proceder a treinos de captação de jovens
de ambos os sexos, nascidos em 1995/1996 (Masculinos) e 1996/1997 (Femininos), que cumpram certos critérios de ordem morfológica - rapazes acima de 1,80 metros de altura e raparigas acima de 1,70 metros - e que mostrem ter motivação para integrarem o período de observação que se prolongará até Dezembro de 2009.
Os treinos decorrem em Matosinhos (ver tabela de horários) e os interessados podem
comparecer nas sessões de treino, que se realizam sempre com o seguinte horário:

Treinos Dia/Hora Local

Femininos
Domingo/18h00-20h00 Escola Sec. Augusto Gomes
(Matosinhos)
Segunda-feira/19h00-20h30
Justificar completamenteOs Centros de Formação
A exigência do desporto de alto nível levou a que a Federação Portuguesa de Voleibol
(FPV) delineasse a criação de uma estrutura conjunta (Clubes, Associações, FPV) onde é realizado um trabalho de complementaridade com o do clube e que antecipa a entrada dos jovens atletas nas Selecções Nacionais.
Os Centros de Formação assumem um papel determinante no processo de formação desportiva
do praticante de Voleibol ao oferecerem uma dinâmica de funcionamento e metodologias de trabalho que visam garantir o desenvolvimento multilateral do jogador nos momentos iniciais da sua formação e níveis de prestação progressiva mais elevados, numa perspectiva de longo prazo. São estes jogadores que, após dois anos nos Centros de Formação, servirão de base à constituição das Selecções mais jovens.
Ao transitarem para as Selecções jovens (cadetes e juniores), estes atletas integram de
imediato o regime de concentração permanente, onde são alvo de acompanhamento pedagógico, familiar e médico-desportivo, através da realização de avaliações sistemáticas do controlo de treino, de modo a fornecer indicadores de referência do rendimento desportivo no contexto da sua formação integral.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

SENIORES - Resultados da 2ª Jornada


SÉRIE A2 - 1ª FASE
RESULTADOS DA 2ª JORNADA


GC ST Tirso 3 - AA Coimbra 1


Parciais: 25-17, 25-17, 24-26 e 25-18

CD Póvoa 1 - Boavista FC 3


Parciais: 14-25, 27-25, 21-25 e 18-25

CF Belenenses 3 - SC Arcozelo 2


Parciais: 20-25, 21-25, 25-15, 25-17 e 15-5

Lusófona VC 3 - Vitória SC 1


Parciais: 26-24, 9-25, 25-19, e 25-21

AC Juventude 1 - Juv. Pacense 3


Parciais: 25-21, 22-25, 19-25 e 17-25

SENIORES - Declarações após jogo

«Acho que fizemos um bom jogo, com uma grande atitude, raça e empenho. Penso que entrámos bastante bem, cheias de força o que nos permitiu vencer com uma boa margem o 1º set (25-14).

Embora tenhamos perdido o 2º set sem necessidade, pois estava perfeitamente ao nosso alcance, conseguimos recuperar bem no 3º set acabando por vencer sem grandes dificuldades por 3-1.

O balanço do jogo é positivo, sem dúvida, e estamos todas de Parabéns pela vitória.

E tal como o nosso grande treinador disse: "A primeira de muitas! "ESTAMOS NA LUTA"»


Mariana Moura, Atleta da Equipa de Seniores

SENIORES - 1.ª Vitória na Póvoa

CD Póvoa 1 - Boavista FC 3


«O Jogo com o Desportivo da Póvoa foi bastante positivo, pois já se começam a verificar entrosamento entre as jogadoras e a aplicação de tudo o que temos trabalhado.
Depois de um primeiro set com qualidade, demos o segundo. Não nos deixamos abalar e vencemos os dois seguintes, o que nos permitiu a primeira vitória no campeonato.
Mais uma vez todas as jogadoras estão de parabéns pela excelente atitude. Estamos na luta!»


Paulo Pardalejo, Treinador da Equipa de Seniores

Juvenis - Declarações após jogo

ALA Gondomar 3 - Boavista FC 1


"Entramos bem no jogo ganhando por 25/23 no primeiro set, contudo a partir do segundo set a equipa adversária ganhou terreno com razoável distância.
«Acho que podíamos ter ganho, a vitória estava completamente ao nosso alcance. Houve muita falta de concentração e principalmente de atitude.»

Catarina Soares, Treinadora da Equipa de Juvenis


«Entramos bem no jogo ganhando por 25/23 no primeiro set, contudo a partir do segundo set a equipa adversária ganhou terreno com razoável distância.
Neste jogo foram poucos os serviços falhados, mas falhou sobre tudo atitude e moral para dar a volta ao resultado.»

Barbara, Atleta da Equipa de Juvenis

INFANTIS - Excelente vitória!

Frei Gil 0 - Boavista FC 3

A equipa de Infantis conseguiu neste fim de semana a sua primeira vitória na prova em que compete. A excelente vitória por 3-0 frente ao Frei Gil, certamente irá trazer mais confiança ás nossas jovens atletas que estão a iniciar-se neste novo escalão.

A destacar ainda a dedicatória desta vitória atribuída ao eterno Director José Manuel Palmeira.

« A equipa jogou bem e ficamos muito contentes pela nossa primeira vitória. Mesmo assim podia ter sido melhor: errar menos serviços, falar no 1º toque e levantar mais a bola no passe para o terceiro ser mais eficaz.»
Mafalda Mota , Jogadora da Equipa Infantil

« A minha equipa está, sem duvida, de Parabéns. O Frei Gil era uma equipa acessível, o que nos fez alcançar o objectivo do jogo com mais calma e talvez menos nervosismo em campo. Como qualquer equipa, cometemos alguns erros mas não tenho nada a apontar. Sempre com raça, garra e muita alegria a jogar conseguimos o que queríamos com bastante mérito: a primeira de muitas vitórias. Foi gratificante ver a alegria delas no fim do jogo e espero sinceramente que toda esta atitude se mantenha ao longo do Campeonato.
(Esta vitória é dedicada por todas as razões, a alguém que já não se encontra fisicamente entre nós, Zé Manel Palmeira). »
Filipa Teixeira, Treinadora da Equipa Infantil

domingo, 25 de outubro de 2009

Declarações - Marta [Iniciadas]

«Acho que podíamos ter ganho, a vitória estava completamente ao nosso alcance. Já tivemos um jogo treino contra elas e já sabíamos como é que elas jogavam porque foi à pouco tempo.
Acho que podíamos ter mesmo ganho, perdemos por alguma estupidez, falta de atenção e de tudo.
Nos sets ficamos muito aquém daquilo que conseguimos fazer, o resultado foi o espelho das nossas atitudes em campo.»

Marta, Capitã de Equipa de Iniciadas

Iniciadas perdem primeiro jogo

Boavista FC 0 - AAS Mamede 3

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

SENIORES - Antevisão do próximo jogo

«Depois do jogo de domingo podemos dizer que temos condições para realizar um campeonato tranquilo. As vitórias vão surgir com toda a certeza e esperamos que a primeira seja já este fim de semana! Estamos na luta!»
Paulo Pardalejo, Treinador da Equipa de Seniores

Juvenis - Antevisão do próximo jogo

«No próximo jogo esperamos, penso que falo por toda a equipa, conseguir melhorar a recepção e o bloco, aspectos que falharam com mais evidência no nosso último jogo. Além disso, espero que os serviços falhados no jogo anterior não se repitam.
O espírito de equipa vai ser muito importante para conseguirmos ganhar este próximo desafio.»
Barbara Mota, Jogadora da Equipa de Juvenis

Juvenis - Declarações sobre último Jogo

«Acho que o último jogo podia ter corrido muito melhor, houve muita desconcentraçao, falta de atitude e principalmente raça para podermos ganhar o jogo.
Espero que neste fim de semana mudem a sua atitude para podermos vencer o jogo!»
Catarina Martins , Treinadora da Equipa de Juvenis

Entrevista a Joana Ferraz


Joana Ferraz, conhecida no Voleibol axadrezado por "Ju" é uma jovem de 19 anos que para além de treinadora das minis é jogadora da equipa sénior. Activa, sorridente e sempre muito exigente com as suas meninas é uma apaixonada pela modalidade, fomos tentar conhecê-la um pouco melhor.


Há quanto tempo estás no Voleibol do Boavista?
Jogo há 9 anos, sempre aqui nesta casa, na MINHA casa.


E nas funções de treinadora?
Comecei ano passado, sem ter nada pensado. Mas gostei tanto da experiência que mostrei a minha vontade de continuar. E felizmente, a Dona Graziela e o Senhor Zé Manel voltaram a acreditar no meu trabalho e a colocar-me novamente no posto.


És atleta de que escalão no Boavista?
Actualmente sou atleta do escalão sénior.


Atleta e treinadora. Com tantos treinos que tempo sobre para o resto da vida?
Neste momento estou a ter quatro treinos enquanto atleta, e como treinadora tenho dois.


O que fazes para além do Volei?
Estou na Faculdade, a tirar uma Licenciatura em Farmácia. Estou no 2º ano e pretendo acabar o mais depressa possível para puder exercer uma profissão de que sempre gostei.


Qual o escalão que treinas?
Estou com o escalão de Minis, junto com uma colega, Catarina Gomes. Mais concretamente com as Minis B.



Quando jogas e sentes as tuas "jogadoras" na bancada, isso incomoda-te?
A meu ver o mais importante passa por elas estarem na bancada, sentirem vontade de estar informadas e de ver como as coisas funcionam.

Não, nunca me incomodou, tento somente esforçar-me mais para lhes mostrar que o trabalho e a persistência nos levam a locais que jamais pensamos. Temos de lutar, e é isso que quero demonstrar.

Já jogo há 9 anos e nem todos esses anos foram felizes, mas há que continuar para mostrar que estamos cá para ficar.



Mas sentes que és constantemente analisada?
Não acho que seja constantemente, sou analisada como todas as outras treinadoras o são. Temos o Coordenador da Modalidade que quer estar sempre dentro do assunto, como é lógico, temos a Directora, os pais das atletas e as atletas, por fim. Tentamos fazer o máximo para agradar a todos para que toda a gente goste de cá estar.


Trabalhar com as minis é aliciante, ou estás a dar os primeiros passos como técnica?
Apesar de estar a dar os primeiros passos como técnica, sinto-me privilegiada por estar a coordenar este escalão. Jogam porque realmente gostam disto, porque se sentem bem connosco, têm garra e são as que mais sentem o que esta camisola transmite.

São unidas e, o que mais me fascina, é que são felizes a jogar, vejo os olhos delas a brilhar e aquele sorriso na cara tão característico deste escalão.


O que gostas mais jogar ou treinar?
Essa era uma pergunta de que já está à espera (risos). Felizmente, ainda, não a consigo responder. Sou treinadora há pouco tempo mas já é uma coisa que me satisfaz realmente, descobri que adoro fazer o que estou a fazer. Por outro lado, também adoro jogar, jogo há anos e ainda não me consegui cansar, já faz parte de mim e acho que vai ser muito difícil desvincular-me.


O que queres ser quando fores grande?
A nível profissional quero exercer a profissão para a qual me estou a formar, trabalhar numa Farmácia Hospitalar ou então Comunitária. Porém, como já me conheço minimamente, sei que sem o Volei já não sou a mesma. Quero continuar com as duas coisas até conseguir.

Seguir o exemplo da Raquel (atleta da equipa sénior) que sempre as conseguiu conciliar e bem.


Para além de duas excelentes treinadoras as "Minis" têm uma Engenheira e uma futura Doutora... parabéns!

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Gostas de Voleibol? Vem Praticar!

Entrevista a Catarina Gomes

Catarina Gomes de vinte e quatro anos é uma Boavisteira de sete costados - seguindo o sangue da família - teve o desgosto de ter de abandonar precocemente a actividade como atleta. A sua vida escolar obrigou-a a ausentar-se do Boavista, mas acabado o curso...regressou ao clube, como Engenheira, que mesmo assim não deixa o seus amores... o Boavista e as suas meninas


Qual o escalão que treina?
Minis A.

Sei que tem um passado ligado ao Voleibol do Boavista. Faça-nos um resumo dele...
Entrei para o voleibol no Boavista também eu Mini A na altura, tinha 10 anos. Fui avançando pelos vários escalões até juvenil. Fui quatro vezes campeã regional e duas vezes vice-campeã nacional.

Fiz muitos amigos e muito do que conheço do nosso país, devo-o ao Voleibol no Boavista. Relembro vários momentos com muita alegria e, apesar das dificuldades actuais, é este o sentimento que desejo que as nossas meninas venham a ter daqui a uns anos - mais que um desporto, o voleibol é uma escola da vida.

Porque não continuou como praticante?
Quando cheguei ao escalão de júniores diagnosticaram-me uma fractura de esforço na coluna que me impossibilitou de continuar como atleta. Nessa mesma época tirei o curso de treinadores e fui treinar o escalão de minis.

Qual a profissão que tem no momento?
Sou engenheira alimentar, mas neste momento estou à procura de emprego.

Porque este regresso ao Boavista, agora noutra funções?
Já tinha sido treinadora das minis mas a função não estava a ser compatível com o facto de eu estar a estudar em Castelo Branco (não era de todo justo para a equipa e para mim tornava-se muito cansativo).

Este regresso deve-se ao facto de eu sentir que podia ajudar o meu clube e a modalidade numa altura em que tanto precisavam e é também a resposta ao pedido do Sr. Zé Manel e da D. Graziela.

Treinadora de meninas a dar os primeiros passos. É aliciante ou de vez enquando a inexperiência delas incomoda-a?
Não, não me incomoda minimamente, é aliás o meu grande desafio. Trabalho com meninas com idades compreendidas entre os 6 e os 10 anos - as suas vitórias vão-se fazendo nos treinos quando conseguem fazer com que a bola passe por cima da rede ou quando cumprem os objectivos que lhes propomos.

Ver alegria delas quando isso acontece ou quando ganham um jogo num torneio compensa todo o esforço.

O Voleibol é um amor ou um passatempo?
Pode começar como passatempo mas rapidamente se transforma em amor. A dada altura é já um estilo de vida (sorriu)

Sente saudades de quando jogava?
Sim muitas. Apesar de ter deixado de jogar relativamente cedo, guardo as melhores recordações como atleta.

Vai "fazer" alguma campeã?
Não sei, é claro que ficarei toda orgulhosa se isso acontecer, mas já tenho alguns "pequenos orgulhos" que é ver atletas que já passaram por mim, como a Joana Ferraz (que é agora minha colega, treinadora das minis B e atleta nas séniores), a Catarina Soares (treinadora das juvenis e atleta nas seniores) ou a Mariana Moura (atleta nas seniores) a desempenharem tão bem as suas funções e sem nunca terem desistido da modalidade bem como outras atletas que se encontram espalhadas pelos outros escalões.
Penso que o facto de terem continuado a avançar na modalidade já é um grande orgulho.

Sabemos que tem uma família dedicada ao Voleibol. Foi você que os trouxe ou forem eles que a trouxeram?
Tenho acima de tudo uma família ligada ao Boavista. A partir do momento em que eu e a minha irmã entramos para o voleibol, em casa tudo se regia pelos nossos horários, a entrada da família torna-se inevitável, por isso penso que entramos todos juntos.
Este foi um ano de regressos - a minha irmã (Sofia Gomes) regressou ao escalão das séniores, eu voltei para as minis e o meu pai (Manuel Gomes) volta a ajudar na divulgação da modalidade com os cartazes!

Como analisa o Voleibol no Boavista?
É uma modalidade que tem dado muitas alegrias ao clube. Graças a duas pessoas muito especiais (Sr. Zé Manel e agora a D. Graziela), o voleibol no Boavista é um exemplo de força, garra e determinação e penso que falo por todos quando digo que são estes os valores que queremos transmitir às nossas atletas.

ESTAMOS NA LUTA! Julgo que o nosso lema resume tudo!